THE BOOK — UM REALITY SHOW PARA ESCRITORES

#EPISÓDIO 2 — O PROCESSO SELETIVO

Pitch. Cronômetro. Jurados. Avaliação. Repescagem. Selecionados e eliminados. Ou vai ou racha.

Há anos venho mudando meu modelo mental para pensar menos em competição e mais em cooperação. Mas, quem não gosta de um jogo? Até na natureza, as duas coisas estão interligadas, como a bromélia que cresce em cima da árvore. O segredo é não ser nem só competitivo, nem só cooperativo — ser flexível.

Quando me inscrevi para fazer parte do The Book sabia que era um jogo, e que teria competição, mas que meu principal objetivo era fazer trocas significativas com as pessoas que encontrasse no caminho, sempre dando meu melhor. Quando você dá seu melhor, não importa o que os outros dizem: você deu seu melhor, ponto.

E para dar o melhor é preciso um bom desafio, para que surja o estado de flow: aquele momento em que o tempo não faz mais sentido, que você não busca nenhuma recompensa a não ser estar ali. Para chegar nesse estado é necessário muito treino, e por isso para fazer o meu pitch — apresentação de dois minutos para uma banca de jurados -, eu escrevi antes tudo que ia falar, revisei, mostrei para outras pessoas. Não consegui treinar tantas vezes quanto gostaria, por causa da carga de trabalho que tive naquela semana, mas fiz meu melhor para aproveitar até as viagens de carro para tocar no rádio a minha gravação — e treinar de novo, e de novo.

Foi assim que cheguei com tudo no dia da apresentação, e só na hora descobri que os jurados seriam dois autores que li recentemente, Rick Chester e Matheus Jacob, e a responsável por colocar eles na imprensa, a Fattima Amaral. O evento teve até apresentação musical do Marcos Rossi, e, além de tudo isso, eu não estava lidando apenas com as minhas questões: a Fran, minha companheira, também ia se apresentar para entrar no reality.

Então éramos dois aqui em casa, treinando sem parar, revisando, pensando em como seria a performance, ajudando um ao outro. A Fran também queria MUITO entrar, e por isso ensaiou mais de cem vezes (sério) a sua apresentação.

Chegou enfim o momento de começar os pitches, e a ordem seria por inscrição: quando o Anderson dissesse “Valendo” a gente tinha que mandar nossos nomes via chat para o Allan, que estava coordenando tudo e iria colocar os participantes em ordem. Eu fui rápido no chat, e por isso fui o segundo a me apresentar. Virei a tela do computador para mim, respirei fundo, pedi ajuda a todas e todos que me guiam e fui.

A apresentação completa você confere no meu IGTV, no Instagram.

Eu na tela de um Reality Show apresentado pelo Anderson Cavalcante. Por essa eu não esperava!

Foi intenso. Falei com toda minha verdade. Com a responsabilidade de representar os homens. Sim, os homens, os que estão violentando as mulheres, violentando a si mesmos. Falei expondo o problema e também escancarando a solução. Em uma sociedade machista, o caminho é para dentro. Em meio à tanta violência, precisamos ir na raiz, trabalhar nosso autoconhecimento. Os homens PRECISAM conhecer suas emoções. Eu preciso.

Com a ajuda do treino e da espiritualidade terminei minha apresentação cravado em dois minutos, e tive a honra de ser elogiado pelo Matheus. Dei o meu melhor, fui reconhecido, e só por isso a noite já valeu.

Depois vieram outra apresentações, e mais outras, e outras. Algumas incríveis, umas com problemas técnicos, outras de chorar. E a Fran? Ela ficou para o fim, foi a penúltima a ser chamada. Achamos até que tinham esquecido dela, pulado o nome na chamada… Ela até escreveu no chat: “Eu! Falta eu!!!”.

E lá foi ela, fazer, nas palavras da Fattima, a melhor apresentação da noite. Nas palavras da Cinthia, a Fran “Arrasou!”. A Fran foi a única participante a ganhar comentários de TODOS jurados, simplesmente todo mundo queria comentar sobre o show que ela deu. Assim que a câmera dela desligou nós pulamos, gritamos, nos abraçamos, comemoramos demais!

Só que, alguns minutos depois, ainda no meio da nossa festa, anunciaram que tinha acontecido um empate: eram apenas 12 vagas, e do 9° ao 13° colocado, todos tinham notas iguais. Cinco pessoas, quatro vagas. E, o que nos deixou aturdidos, a Fran era uma dessas pessoas. De melhor apresentação para repescagem em poucos minutos. Como assim?! O mundo dá voltas mesmo.

A repescagem seria uma nova apresentação: 30 segundos para dizer por que você deveria entrar no reality. Você imagina como a Fran ficou, né? E o ensaio? O que falar em 30 segundos? Como assim?!

Mas ela não tinha escolha, era se apresentar ou desistir. Chamaram ela, e, na hora em que ia falar, caiu a internet. Do nada. Simplesmente caiu. COMO ASSIM?!

Fomos até a cozinha, conectamos na internet do vizinho, o pessoal do reality tentando nos ligar, minha mãe, que estava assistindo, tentando nos ligar, eu tentando conectar pelo celular… Até que a internet do vizinho conectou e entramos na sala.

Vai, Fran! 30 segundos, valendo!

Ela falou, contou uma história, mas logo cortaram o microfone dela. E foi isso. Ela também, deu o melhor que pode.

Então só restava esperar. Eu também não sabia se tinha entrado ou não, a repescagem tomou conta do show. Tabularam os dados, fizeram o slide, iam começar a apresentar os selecionados. Dos cinco da repescagem, um ia ficar fora. E se um de nós entrasse e o outro não, com que cara que ia comemorar na frente do outro? Com a de quem ama e apoia, não importa o que aconteça.

12° lugar, tal pessoa. 11°, outra pessoa. 10°, mais outra pessoa. E a FRAN? Na última oportunidade, veio o nome dela. Fran Bitten, a nota mais alta da repescagem. Ufa!

Mal deu tempo de celebrar e eles continuaram… 8°… 7°… cadê meu nome, cadê meu nome… não quero ser o primeiro, não quero ser o último a ser anunciado… 5° lugar, Juliano Poeta! Aí sim! Festa liberada! Chamamos a Gaia, nossa cachorrinha, para comemorar junto, apagamos as luzes e, ao som do Marcos Rossi cantando, brindamos à vida, ao universo, às nossas escolhas, aos que nos deram essa oportunidade!

Anderson, Cinthia, Fattima, Matheus, Rick, GRATIDÃO!

Me rendo aos clichês para dizer que foi uma noite inesquecível: o coração pulou, as mãos suaram, o corpo todo se entregou ao momento. Nos sentimos vivos!

Eu tive a honra de não só conhecer, mas de me apresentar para pessoas mais que especiais: seres que trabalham com literatura, com transformação, pessoas que já tocaram o meu coração, e tive a possibilidade de me apresentar aos olhos e ao coração delas.

Mas calma… essa foi só a fase seletiva! Agora sim que começa o jogo, o desafio mais intenso!

SPOILER: já na primeira sessão do reality teve outra apresentação dos participantes, seis novos convidados, um sorteio em que meu nome nunca aparecia e muita, muita emoção!

Mas isso fica para o capítulo 3 da série THE BOOK — UM REALITY SHOW PARA ESCRITORES.

Um abraço energético,

Juliano Poeta

Sou escritor. Conheça meus livros em julianopoeta.com e jornadasolar.site